Clínica

Dermatite Atópica

10.png
É um dos tipos mais comuns de alergia cutânea caracterizada por eczema atópico.

É uma doença genética, crônica e que apresenta pele seca, erupções que coçam e crostas. Seu surgimento é mais comum nas dobras dos braços e da parte de trás dos joelhos.

Não é uma doença contagiosa. Podem-se tocar as lesões à vontade que não há nenhum risco de transmissão.

A dermatite atópica pode também vir acompanhada de asma ou rinite alérgica, porém, com manifestação clínica variável. Alguns fatores de risco para o desenvolvimento de dermatite atópica podem incluir: alergia a pólen, a mofo, a ácaros ou a animais; contato com materiais ásperos; exposição a irritantes ambientais, fragrâncias ou corantes adicionados a loções ou sabonetes, detergentes e produtos de limpeza em geral; roupas de lã e de tecido sintético; baixa umidade do ar, frio intenso, calor e transpiração; infecções; estresse emocional e certos alimentos.

O objetivo do tratamento da dermatite atópica visa o controle da coceira, a redução da inflamação da pele e a prevenção das recorrências.

Devido à pele ressecada, a base do tratamento é o uso de emolientes, também chamados de hidratantes

Outro fator importante é fortalecer a barreira da pele, evitando o contato com alérgenos ambientais, como poeira, pólen, sabonetes com perfume, produtos de limpeza doméstica e tabaco.

A mudança de estilo de vida e cuidados  pessoais  deve ser avaliada e analisada pelo dermatologista em conjunto com os pais para definir qual a melhor estratégia para diminuir as crises de piora da dermatrite atípica.